top of page

“As palavras convencem, mas o testemunho arrasta”




Uma vida consagrada a Deus e testemunhada todos os dias através do serviço ao próximo e de muito amor a Deus é a maior propaganda vocacional que uma pessoa pode ter, a ponto de se identificar com um projeto de vida e querer tornar-se um consagrado a Deus. Sabemos que a vocação surge do apelo mais profundo de Deus no mais íntimo do ser humano. O Senhor nos chama à felicidade plena e nos ajuda a trilhar nosso caminho de missão, serviço e realização.


Quão interessante é ouvir as histórias vocacionais de muitos consagrados e consagradas e perceber a mão de Deus agindo através deles para semear novas sementes no coração das pessoas! O coração fértil ao chamado de Deus acolhe a semente e esta cresce, floresce e produz muitos frutos. Por isso, a maior prece vocacional é aquela que nasce de um testemunho de vida. É preciso estar atento ao que se vive e ao que se ensina, pois um consagrado tem a missão de ensinar a todas as pessoas o modo de ser do Redentor. É a pessoa de Jesus que precisa ficar em destaque, pois todo seguimento vocacional só tem sentido quando se caminha para e com ele.


Jesus, ao passar pelo caminho existencial de seus discípulos, teve um olhar de misericórdia para com eles e chamou a cada um, dizendo-lhe: “Vem e segue-me!”. O Mestre teve tempo e gastou este tempo amando-os pacientemente e ensinando-lhes sobre o Reino dos Céus. Confiou-lhes a tarefa de serem continuadores da missão salvífica de Deus. Os discípulos foram pessoas apostólicas. De tal modo apaixonados por Jesus, foram capazes de doar sua vida por Ele e pelo Evangelho. O martírio da maioria dos apóstolos plantou no coração de muitas pessoas novas sementes vocacionais, tornando-as seguidoras e anunciadoras do Reino de Deus.


A missão continua e é urgente anunciar e testemunhar a presença e o amor de Deus. Em tempos difíceis e de crise vocacional na vida da Igreja, faz-se necessário o testemunho autêntico de todo o corpo eclesial: leigos/as, religiosos/as, diáconos, padres e bispos. Somente uma Igreja ardente do amor por Deus e com um coração transbordante de amor pelos mais pobres e abandonados será capaz de motivar muitas, novas e santas vocações. A exemplo de Santo Afonso, nosso pai fundador, anunciemos a Copiosa Redenção com nossas palavras e, sobretudo, com nosso testemunho, a fim de promovermos um mundo mais solidário, justo e fraterno para os nossos irmãos e irmãs.


Pe. Robson Araújo, C.Ss.R.


408 visualizações0 comentário
bottom of page