top of page

Brasileiro é eleito novo Superior Geral Redentorista



A Congregação do Santíssimo Redentor elegeu seu novo Superior Geral, o brasileiro Pe. Rogério Gomes, C.Ss.R., que ocupava, até então, o cargo de Conselheiro na instituição. A eleição ocorreu no dia 27 de setembro, em Roma, na Itália, durante a fase canônica do 26º Capítulo Geral. O Redentorista irá coordenar e animar mais de 4.600 religiosos em mais de 80 países, de 2023 a 2028. O recém-eleito substitui o Pe. Michael Brehl, C.Ss.R., agora Superior Geral Emérito.


Padre Rogério nasceu em Alterosa (MG), em 27 de janeiro de 2022. Tem 20 anos de Profissão Religiosa e 16 de Sacerdócio. A sua Província de origem é a Unidade de São Paulo, da qual foi Provincial de 2014 a 2016. Ele é o segundo brasileiro a ser eleito Superior Geral na história da Congregação.


Confira a mensagem do Missionário Redentorista:


A todos os confrades capitulares,

Aos confrades de cada Conferência, especialmente àqueles que vivem em situações de guerra, perseguição e em situações de dor e sofrimento em suas vidas, nossos idosos,

A todos os nossos formadores e formandos: amo-vos muito! Ontem, recordamos o nosso querido Beato Gaspar. Na sua figura, lembro-me de todos os nossos formadores,

À família redentorista,

Às freiras redentoristas,

Aos Oblatos, leigos e leigas associados à nossa missão,

Aos nossos ex-seminaristas redentoristas.

Hoje é um dia especial para nós: em 27 de setembro de 1696 nasceu Santo Afonso Ligório em Marianella, Nápoles. Ontem à noite, enquanto escrevia esta mensagem, pensava no significado desta nova missão que coincide com o nascimento do nosso santo Fundador. Deus tem a sua linguagem!

Agradeço a confiança em me pedir para realizar este árduo e desafiador serviço à Congregação. Não estarei sozinho, contarei com meu Conselho e também com os superiores maiores da Congregação. Estou em paz! Porque creio piamente e profundamente no Espírito Santo , o timoneiro da história, Aquele que esteve presente na criação do mundo, em Jesus na sinagoga, na ressurreição, no Pentecostes, em Afonso na fundação da Congregação, na vida dos nossos Santos, Beatos, Mártires, Veneráveis ??e em cada um de nós aqui presentes hoje, neste Capítulo. O Espírito Santo está aqui! Hoje é o nosso Pentecostes!

Eu acredito no trabalho em equipe . Desde meus tempos de escola sempre trabalhei em equipe. Era mais fácil trabalhar individualmente, tirar notas melhores, mas gostava de trabalhar assim, de dialogar, de aprender em conjunto, de partilhar.

Eu acredito na pessoa humana . Eu tenho uma fé antropológica. Para mim, as pessoas estão acima das estruturas. As estruturas têm sua importância, mas consideradas em termos de pessoas e missão. E a pessoa humana é sempre nova. A cada dia ele se renova, se surpreende com seu potencial e suas fraquezas, e isso me fascina!

Eu acredito no misticismo . Uma liderança que não experimenta Deus é vazia e não pode ver pessoas. É apenas uma engrenagem para fazer as engrenagens funcionarem e usurpar sua função de cuidar, incentivar o ganho pessoal.

O desafio . Eu gosto disso. Eu não tenho medo. Eu tenho a coragem prudente. Uma professora me disse uma vez que eu gosto de coisas difíceis. Não é um gosto pessoal, mas nunca vejo o desafio como algo negativo. Para mim é algo que precisa de uma resposta, uma solução. E se não houver solução pelo menos foi considerada. Prefiro errar do que ficar na estagnação que, pouco a pouco, apodrece e morre.

Na minha simplicidade, como camponês, como agricultor, com a paciência necessária, darei generosamente o melhor de mim neste serviço, tudo o que é meu. Trabalharei para fazer do Governo Geral um corpo missionário para a animação da vida apostólica da Congregação. Há muito trabalho a ser feito, muitos desafios a serem superados. Peço um pouco de paciência, principalmente neste primeiro ano. Como Congregação devemos lembrar que somos um corpo missionário trabalhando colegialmente (cf. Const 2) e é este corpo missionário que não nos permite fragmentar ! Estarei pedindo sua colaboração.

Durante estes dias, abordamos os desafios que tocam nossa vida redentorista: identidade, missão, vida consagrada redentorista, formação para a missão e liderança para a missão. Estes são desafios. “O termo desafio tem um caráter teológico. É um sinal de Deus pedindo nossa fidelidade. Nesta perspectiva, devemos descobrir e acolher a presença do Espírito que, ao mesmo tempo que nos mostra os seus dons, nos impele a continuar a crescer”, afirma Aquilino Bocos. [1]

Temos falado muito nestes dias sobre a crise de liderança. Para mim, a crise de liderança começa quando aqueles que deveriam se importar se apropriam de seu papel de cuidador para ganho pessoal. A função da liderança é kenótica e não de oprimir os outros, é ser um bom samaritano.


Nestes últimos tempos, por causa de tantas mudanças em nosso mundo, podemos ser como a comunidade de Pentecostes com nossas portas fechadas por medo dos perigos do mundo em crise. Mas o Redentor toma-nos pela mão e diz a cada um de nós: “No mundo tereis aflições, mas tem coragem, eu venci o mundo” (cf. Jo 16,33). Ele nos pergunta: “Você me ama? Ele nos convida a apascentar suas ovelhas e cordeiros, a ser um com ele e a segui-lo. Portanto, não tenhamos medo das crises! Devemos nos preocupar quando não há crise. Essa é nossa vez. É um presente do Senhor para nós. Este é o nosso tempo (cf. Const. 3), é kairos e nele anunciaremos o copioso apud eum redemptio . O Senhor está nos chamando: siga-me!

Coragem, irmãos! Não tenha medo. O Senhor Pastor e Mestre do rebanho chamou cada um de nós, somos missionários da esperança! Cada confrade está dando o melhor de si nas diferentes obras. Há sangue redentorista pulsando em nossas veias. Nós não estamos mortos. O Espírito do Senhor nos confirma. O que o Redentor está dizendo no coração de cada um de nós hoje, neste momento da história! Não tenha medo, não tenha medo dos pobres! Eu gostaria que todo Redentorista sentisse o cheiro das ovelhas e exalasse o cheiro do Cristo Redentor.

Gostaria que cada coirmão saísse deste capítulo alegre e entusiasmado, como os discípulos de Jesus partiram depois de Pentecostes, com o coração ardente e corajoso. Quando você voltar para a sua Unidade, você pode começar a colocar vinho novo em odres novos (cf. Mc 2,22) e reencantar os outros irmãos.

Não tenha medo da fidelidade criativa que nos torna fiéis ao Espírito, nos permite reimaginar coisas novas, intuir novos caminhos de evangelização; cometer erros e aprender com nossos próprios erros e não ficar petrificado . O Espírito que ungiu Jesus, Afonso, nossos santos, mártires, bem-aventurados e veneráveis, é o mesmo Espírito que está aqui e nos acompanha, o mesmo Espírito que nos provoca e nos ajuda neste momento de reestruturação e que nos ama sem medo! Não tenhamos medo da reestruturação; será o nosso vinho novo nas bodas de Caná! (cf. Jo 2,1-11)

A reestruturação é para nós a festa das bodas de Caná; é a hora de Jesus em nossa Congregação, tornando-se vinho novo! Nossos santos, beatos, mártires e veneráveis ??sempre se reestruturaram, sempre tiveram medo, mas sempre acreditaram no Espírito e em sua consagração ao Redentor. Podemos ter a melhor estrutura, uma formação com o melhor conteúdo, mas se não vivenciarmos um êxodo não iremos muito longe. A vida consagrada é exodal em sua origem. Teologicamente está enraizado na kenosis de Cristo.

Agradeço-vos do fundo do coração pelo serviço que prestais ao animar e cuidar dos confrades. Oportunamente contarei com sua solidariedade pelas necessidades de pessoal que temos na Cúria Geral. Os confrades que trabalham em Roma servem não só à sua província, mas a toda a Congregação.

Enfim, gostaria que a sua relação comigo fosse a de um irmão, de um confrade que caminha junto, que escuta, consola, encoraja e ama a Congregação e a você e que é chamado a um serviço de animação em vista do bem comum de a Congregação. Nada mais!

Que o Senhor abençoe a todos os presentes e a todos os confrades do mundo. Finalmente, gostaria de confiar a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro toda a Congregação, cada confrade e todos os nossos leigos e leigas, todos aqueles que têm no coração uma marca redentorista. Ela é nossa Madre Geral.

Depois da profissão de fé, convido-vos a cantar juntos a canção “Anima misionera”. Com este canto, desejo abraçar os confrades e leigos de toda a Congregação. Que o Espírito Santo nos conduza! Não tenha medo! Vamos nos amar!


Pe. Rogério Gomes, C.Ss.R.

Il Carmelo, Ciampino, 27 de setembro de 2022.

21 visualizações0 comentário
bottom of page