Missa de Profissão Religiosa




No dia 16 de janeiro, às 18h30, na Igreja Nossa Senhora da Glória, em Juiz de Fora, 3 noviços Redentoristas fizeram a profissão religiosa. Trata-se dos jovens: Carlos Renato da Silva, Fábio Silva Campos e Jefferson Lucas Severino.

A celebração foi presidida pelo Provincial Padre Nelson Antonio Linhares e contou com a presença dos confrades da Igreja da Glória (Padres Dalton, Edson e Lúcio), do Vale da Floresta (Padre Vanderlei e Irmão Argemiro), do formador do aspirantado, a Comunidade Vocacional Santo Afonso (Padre Jonas), do antigo formador do postulantado, a Comunidade Vocacional São Clemente (Padre José Maurício) e do Irmão João Paulo (Cariacica). Estiveram presentes também os junioristas da Comunidade Vocacional Dom Muniz (Marcos e Thiago).

Após o período do Noviciado, os três noviços foram aceitos para emitirem os votos temporários de pobreza, castidade e obediência. Os votos realizados no ato da consagração religiosa expressam um caminho para a vivência radical da doação do(a) religioso(a) a Deus, toda a sua vida estará plenamente disponível para o seguimento a Cristo. Os votos têm como finalidade proporcionar ao consagrado a ruptura de todos os condicionamentos humanos, sejam eles personalistas, culturais ou ideológicos, sendo autêntico no anúncio do Evangelho realizado por ele(a). Por sua vez, eles são determinantes na vida missionária do consagrado(a) pois, através deles, rompem-se as amarras que nos impedem de servirmos com amor aos irmãos. Eles expressam um gesto de total liberdade e disponibilidade.

VOTO DE POBREZA

A pobreza evangélica significa a maturidade em adequar os bens materiais em prol da missão evangelizadora, de modo que o (a) consagrado (a) se qualifica na solidariedade para com o próximo.

VOTO DE OBEDIÊNCIA

A obediência visa a maturidade plena do (a) religioso (a), tornando-o dócil à inspiração do Espírito e capaz de renunciar às suas vontades personalíssimas.

VOTO DE CASTIDADE

A castidade, entendida por alguns como a simples renúncia ao matrimônio, significa oferecer a Deus o holocausto de nossos desejos corpóreos. Ela tem como finalidade proporcionar ao (à) religioso (a) a liberdade dos afetos, possibilitando-lhe o estabelecimento de relações maduras e centradas para além do desejo puramente sexual.

Pela profissão religiosa temporária, também chamada de tempo de prova, o(a) candidato(a) se torna um(a) religioso(a) e estabelece um vínculo jurídico com o Instituto religioso. No entanto, essa profissão é chamada de temporária, porque o(a) religioso(a) permanece ainda no processo formativo, tendo que renovar todos os anos o seu compromisso (Cân 722 §2).

Por sua vez, o tempo da profissão temporária é relativo a cada caso, não podendo ser inferior a cinco anos (Cân 723 §2). Trata-se de um tempo de experiência, no qual o(a) religioso(a) busca cultivar e aprofundar a sua vocação através do amadurecimento como pessoa humana e cristã, na vivência cotidiana do carisma de seu Instituto, tendo em vista o discernimento para a consagração definitiva (perpétua).





Fonte: www.provinciadorio.org.br

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
CONGREGAÇÃO REDENTORISTA
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Ícone

@provinciadorio

ENTRE EM CONTATO:

WhatsApp Vocacional

31 99979-3523

Tel: (31) 3226-9595

contato@vocacionalredentorista.com.br

RECEBA NOSSAS NOVIDADES

© 2020 - Todos os direitos reservado - Província do Rio