Vocação é convite pessoal que Deus dirige a cada um. Cada ser humano tem algo de pessoal, e uma maneira pessoal de realizá-lo. Ao descobrir sua vocação, o homem está se descobrindo a si mesmo. Daí a necessidade de permanecer atento a tudo, para perceber sua própria vocação.

 

Seguir uma vocação é buscar incansavelmente uma resposta aos próprios anseios. 

Todo homem é chamado a decidir-se, a assumir os valores descobertos em si e não poupar esforços para alcançar os objetivos propostos. 

 

Vocação na Igreja

A Palavra de Deus não dispensa ninguém de pensar, de tatear, de buscar, de tomar decisões".

 

O que é vocação?

Antes de qualquer reflexão, é necessário que saibamos o que significa a palavra vocação.

Vocação

​palavra vocação vem do latim vocare que significa chamado. Todos nós somos chamados, de uma forma ou de outra à fazer algo, à alguma coisa. Antigamente este termo significava qualquer espécie de aptidão. Por exemplo: aptidão para medicina, música, artes, etc.. Depois ele foi adquirindo um significado religioso passando a designar o chamado de Deus.

 

Vocação sempre indica um chamado. E quem chama sempre deseja alguma resposta da pessoa a quem chama.


Deus não age de forma diferente. Só que, ao chamar, Deus, antes de pedir Ele dá. Deus chamando o homem lhe dá a vida, a existência, e com a vida, dá-lhe também a liberdade. Depois de ter chamado o homem para a vida, Deus torna a chamá-lo, porque há muitas coisas que Deus deseja fazer no mundo através do homem. Deus não quer mais agir sozinho. Por isso, quando Deus chama, Ele chama para pedir alguma coisa, confiar alguma missão. O chamado de Deus é sempre um desafio:


1. Ao sermos chamados à vida, nos comprometemos a cumprir uma determinada missão que todos os outros possam viver bem.

2. Ao sermos chamados à fé, pelo batismo, nos comprometemos a seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e a colaborar com os homens na busca da verdade e do bem vivendo como irmãos.

3. Ao sermos chamados a qualquer estado de vida (sacerdotal, religiosa, matrimonial) assumimos um compromisso específico com a comunidade humana, de ajudá-la a encontrar a felicidade.


Para que isso aconteça é indispensável que cada um faça desabrochar e fortificar a vocação que está em seu interior (Mt 25,14-30).


As capacidades e dons que temos devem estar voltados para as necessidades dos outros. Quanto mais o homem está voltado para o outro, mais realizado e feliz será. O verdadeiro amor é o que busca a felicidade do outro e não a própria.


Podemos dizer que, vocação é a oferta divina que exige uma resposta e um compromisso com Deus. Nesta definição percebemos três aspectos:


1. oferta (chamado) de Deus;
2. resposta do homem;
3. compromisso com Deus e com o irmão 


A resposta do homem deve ser constantemente reassumida. É no dia-a-dia que se deve ir fazendo caminho e assumindo os riscos do nosso SIM.


Vocação é descoberta do próprio ser pessoal. Todo homem é chamado a aperfeiçoar a bondade que existe, em germe, em seu interior, a descobrir a sua vocação, a construir um mundo fraterno onde haja sol para todos, vida para todos perfeitamente a vontade de Deus. Muitas vezes é necessário seguir por caminhos escuros e até incomuns. Muitos devem lutar duramente para seguir sua vocação.

1 - Vocação Laical:

 

É a vocação de todo batizado. Sua origem está nos sacramentos do Batismo e da Crisma.

 

Sua missão é formar comunidade,  transformar o mundo e melhorar a qualidade de vida das pessoas, assumindo uma profissão específica.

 

São os portadores do amor de Jesus Cristo no meio da família e da sociedade.

 

O fiel cristão leigo pode ser solteiro, casado ou consagrado no meio do mundo.

 

Casar ou ficar solteiro é uma opção de vida. 

 

Existe, ainda, a consagração a Deus no meio do mundo. 

 

Essa consagração pode ser individual e espontânea ou num Instituto Secular.

 

Existem no Brasil muitos Institutos Seculares masculinos e femininos. Essa vocação é uma forma mais livre de se consagrar a Deus, exercendo uma profissão específica. 

 

 

2 - Vocação Religiosa:

 

Essa vocação é assumida por pessoas que se sentiram chamadas por Deus a doarem suas vidas por uma causa.

 

Trata-se da consagração a Deus assumindo os votos de pobreza, castidade e obediência, ingressando numa Congregação ou Ordem Religiosa.

 

Os religiosos e religiosas são os sinais visíveis do amor de Jesus Cristo pela sua Igreja e pelo mundo.

 

As congregações religiosas são mais de oitocentas (masculinas e femininas) e todas têm um carisma específico, deixado pelos fundadores.

 

 As Congregações masculinas podem ser apostólicas e contemplativas.

As apostólicas estão inseridas nas atividades da Igreja, no meio da sociedade e do mundo. Atuam junto às paróquias, escolas, doentes, crianças, jovens, migrantes, pobres...

 

As contemplativas reproduzem a dimensão de Cristo “orante”. São as pessoas chamadas a viverem nos mosteiros nos mais variados estilos.

 

A maioria das congregações tem padres e irmãos ou freis consagrados.

 

Algumas congregações têm exclusivamente irmãos.

 

As Congregações femininas também podem ser ativas ou contemplativas.

 

As religiosas se consagram a Deus e são chamadas de Irmãs. Juntamente com os votos de castidade, obediência e pobreza, as irmãs dedicam suas vidas ao carisma a que se sentiram chamadas.

 

A Igreja Católica possui também muitos Institutos de Vida Apostólica.

 

 

3 - Vocação Sacerdotal:

 

Jesus Cristo continua chamando pessoas para darem continuidade à sua obra de amor, a construção do reino de Deus.

 

A vocação sacerdotal é um dom de Deus para a Igreja e para o mundo. 

O diácono, o padre e o bispo recebem da Igreja o “sacramento da ordem”. 

 

Um jovem para ser padre deve ingressar num seminário e estudar, a partir do segundo grau, as faculdades de filosofia e teologia. 

 

O Brasil possui cerca de 16.500 sacerdotes diocesanos e religiosos. Ultimamente o número de seminaristas tem aumentado graças ao trabalho de conscientização feito pela Pastoral Vocacional.

Cremos que Deus nos escolheu em Cristo antes de criar o mundo para sermos santos e irrepreensíveis diante dele no amor (Ef 1,4).
Cremos que aquele que nos escolheu, desde o seio materno, nos chamou por sua graça e houve por bem revelar em nós seu Filho para que o anunciássemos (Gl 1,15-16).
Cremos que fomos chamados a ser apóstolos, servos de Jesus Cristo, escolhidos para anunciar o Evangelho de Deus (Rm 1,1).
Cremos que a cada um é dada uma manifestação do Espírito para a utilidade de todos (1Cor 12,7).
Cremos que devemos comportar-nos de maneira digna da vocação que recebemos: com toda a humildade, mansidão e paciência, suportando-nos uns aos outros no amor (Ef 4,1-2)
Cremos que tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu projeto (Rm 8,28).
Cremos que Deus, por meio do seu poder, que age em nós, pode realizar em tudo infinitamente além do que pedimos ou imaginamos (Ef 3,20).
Cremos e temos plena certeza de que Deus, que começou em nós a boa obra, há de levá-la à perfeição, até o dia de Jesus Cristo (Fl 1,6); porque aquele que nos chamou é fiel (1Ts 5,24).
Amém!

O Creio do Chamado